Guia para Prevenção do Alzheimer – Parte II: A Importância da Atividade Física

Na postagem anterior, conversamos sobre o primeiro hábito saudável que previne o envelhecimento e o Alzheimer – a alimentação. Imagino que você consiga adivinhar o próximo, certo? Ok, sem muito suspense: atividade física!

A verdade é que o que faz bem ao coração faz bem ao cérebro também, ou seja, do mesmo modo que seus músculos crescem com exercício físico, alguns estudos mostraram o nascimento de novas células cerebrais através da melhora da oxigenação e da presença de fatores de crescimento celular.

Para um efeito comprovado, a recomendação semanal dos especialistas é de 150 minutos de atividade aeróbica (seja ela caminhada, bicicleta, natação, dança) e 2 sessões de fortalecimento muscular (musculação, pilates, yoga, artes marciais, circuitos funcionais). Mas, sem desculpa – qualquer coisa é melhor que nada, e “antes tarde do que nunca”! Ache algo que você gosta de fazer, afinal, ter prazer durante as atividades aumenta os benefícios, e coloque na sua rotina.

 

Seguindo a linha dos benefícios, outra vantagem é que a melhoria no desempenho e na qualidade de vida, pode ser sentida em qualquer idade ou estado físico. Isso significa que quem está “doente” também deve se mexer.

Hoje em dia muitos projetos de saúde pública têm focado na prevenção do sedentarismo da população, por meio da criação de ciclovias, academias ao ar livre, aulas de ginástica abertas nos parques, ONGs, grupos de Lian Gong (prática corporal ambiental) nos postos de saúde, e várias outras iniciativas em comunidades – inclusive deve ter alguma perto de você.

 

Por sinal, na semana passada participei da última conferência anual da Academia Americana de Neurologia, em Boston, onde houveram várias palestras e atividades relacionadas ao tema: desde o incentivo ao próprio médico em fazer mais do que aconselha aos seus pacientes (teve aula de yoga, corrida, meditação); a palestras técnicas com o tema “Physical Exercise and Cognitive Training in Neurology – Applications in Ageing and Neurodegenerative Diseases (Exercício Físico e Treinamento Cognitivo na Neurologia – Aplicações para o Envelhecimento e Doenças Neurodegenerativas)”.

Agora, pensa bem: sua saúde amanhã será reflexo do que você faz hoje – já começou a investir no futuro?

Dra. Luiza Piovesana

Médica neurologista especializada na área de Distúrbios do Movimento e Reabilitação Motora